O que é bioquímica comparativa?

O que é bioquímica comparativa

A bioquímica comparativa pode ser um conceito vago com múltiplos significados. No mínimo, é um campo interdisciplinar da ciência que procura obter insights sobre questões não respondidas, encontrando conexões entre tópicos aparentemente não relacionados. Na prática, é mais comumente entendido como o estudo das relações evolutivas entre organismos e como essas relações esclarecem questões mais profundas sobre como as formas biológicas de vida funcionam.

Um campo de estudo integrado

A Universidade da Califórnia em Berkeley tem um programa de pós-graduação chamado Bioquímica Comparativa. Seus membros do corpo docente vêm de diversos campos da ciência, incluindo biologia molecular, biologia celular, química, biologia vegetal, nutrição e saúde pública. Essa diversidade atesta o amplo escopo da bioquímica comparativa como disciplina. Ele também ressalta as semelhanças que permeiam esses campos de estudo, indicando que campos aparentemente díspares podem, na verdade, fornecer informações para a solução de problemas abordados por campos individuais. Revistas também existem sob o nome de bioquímica comparativa, e o escopo de suas publicações ressalta ainda mais o tema da erudição interdisciplinar.

Relacionamentos Evolutivos

Uma definição comum de bioquímica comparativa é o estudo das relações evolutivas entre os organismos. Todos os organismos vivos compartilham um código genético comum na forma de DNA, que fornece informações para produzir as máquinas de proteína que fazem o trabalho cotidiano das células. A bioquímica comparativa estuda máquinas de proteínas e enzimas, mas ambas são codificadas por seqüências de DNA. Ao comparar semelhanças e diferenças nesses genes, os cientistas podem juntar as relações evolutivas entre os organismos. O objetivo disso é entender melhor a história da vida, mas também encontrar modelos de pesquisa animal que possam lançar luz sobre as doenças humanas.

Comparando Genes Relacionados

Diferentes espécies de organismos podem conter os mesmos genes, mas com sequências ligeiramente ou muito diferentes. Esses genes podem fazer coisas semelhantes em cada organismo, ou podem fazer coisas muito diferentes. Isso acontece por causa das diferenças em suas sequências de DNA, que se manifestam como proteínas semelhantes com formas tridimensionais ligeiramente diferentes - e, portanto, funções diferentes. A vantagem de estudar genes semelhantes em duas espécies é que a estrutura e a função de um gene em uma espécie freqüentemente fornecem informações sobre seu papel nas outras espécies.

Encontrando Dicas

Assim como um gene em um organismo pode ajudar um cientista a entender um gene semelhante em outro organismo, os insights podem ser obtidos através de bioquímica comparativa sobre o nível de interação de muitas proteínas. As proteínas geralmente formam complexos, ou grupos de proteínas, com suas proteínas parceiras quando realizam seu trabalho. Aprender quem interage com quem em uma espécie para completar uma função celular ajuda um cientista a adivinhar os parceiros que interagem para um determinado gene em outra espécie. Essa abordagem ajuda os cientistas a adivinhar quais proteínas desconhecidas ainda precisam ser identificadas como parceiras de outras espécies.

Compartilhe Com Seus Amigos