Os prós e contras do Ato de Espécies Ameaçadas

Close up da águia careca

Promulgada em 1973, a Lei de Espécies em Perigo dos Estados Unidos é uma legislação federal que usa dados da população biológica para listar animais e plantas específicos como ameaçados ou ameaçados. Uma vez que uma espécie é listada sob o ato, ela é protegida através de uma variedade de restrições em sua coleta ou captura e em seu habitat. Embora a lei tenha conseguido reviver algumas espécies, como a águia careca, à beira da extinção, o Endiesed Species Act (Ato de Espécies Ameaçadas) enfrenta críticas de proprietários privados, fazendeiros e biólogos por suas deficiências.

Espécie Indicadora

Quando uma planta ou animal é listado sob a Lei de Espécies Ameaçadas, pode chamar a atenção para uma série de questões ambientais que, de outra forma, poderiam passar despercebidas. Uma espécie em declínio pode indicar poluição, destruição de habitat ou um ecossistema de outra forma perturbado, o que pode ter consequências reais para os seres humanos que dependem dos mesmos recursos naturais. Desse modo, a Lei de Espécies Ameaçadas pode destacar “espécies indicadoras”, como o mexilhão de água doce, que pode alertar o público sobre uma bacia poluída se a população começar a declinar constantemente, segundo o Departamento de Agricultura e Serviço Florestal dos EUA.

Proteção Habitat

Quando uma espécie é protegida pelo Ato de Espécies Ameaçadas, torna-se ilegal destruir ou alterar significativamente seu habitat. Por exemplo, na década de 1970, a águia-careca estava quase extinta devido, em parte, ao fato de seu habitat florestal ter sido arrasado e desenvolvido. A listagem da águia careca como um desenvolvimento proibido de qualquer tipo, onde as águias americanas estavam se aninhando. Isso, junto com a proibição do uso do pesticida DDT que enfraqueceu os ovos da águia, foi uma das principais razões para a recuperação da ave ao ponto de ter sido removida da lista de espécies ameaçadas em 2007.

Um foco estreito

Apesar do suposto foco da lei em salvar ecossistemas, alguns críticos acreditam que a legislação está aquém dessa meta. Escrevendo na revista Conservation Biology, Daniel Rohlf, do Natural Resources Law Institute, argumenta que o Endangered Species Act se concentra muito em espécies de alto perfil, em detrimento da conservação de habitats como um todo. A destruição de habitats é a maior ameaça às espécies ameaçadas hoje, argumenta Rohlf, e portanto é mais importante focar na preservação de ecossistemas inteiros por meio de estratégias de manejo do uso da terra e outros meios, ao invés de proteger uma única espécie.

Rancheiros e latifundiários

Outras críticas à Lei de Espécies Ameaçadas vêm de proprietários privados, alguns dos quais se ressentem das restrições impostas a um indivíduo se uma espécie ameaçada ou em perigo é encontrada em sua propriedade. Na verdade, essa é uma falha fundamental de uma lei que impõe restrições de uso da terra a proprietários de terras com espécies ameaçadas de extinção nas proximidades, porque inevitavelmente alguns deixarão de relatar a espécie completamente para evitar tais restrições. Além disso, fazendeiros no oeste dos Estados Unidos reclamam que devido ao status de espécie ameaçada do lobo cinzento e a proibição de matar lobos, a população do predador cresceu e os lobos estão matando seu gado.

Compartilhe Com Seus Amigos