Como funcionam as balas de canhão

Cannonballs Básicas

Balas de canhão básicas eram tiros redondos de um material duro, como pedra ou ferro. Os homens de artilharia carregariam pólvora negra no cano do canhão, embalariam o algodão para comprimir o pó, depois deslizariam a bala de canhão para dentro, socando-a para fazer um tiro seguro e compacto. O fusível estava aceso, queimado até o pó preto e causou uma rápida expansão de gases que empurraram a bala de canhão para baixo. Quando a bola se chocou, transmitiu a força de seu movimento ao objeto alvo, causando dano e lançando partículas do alvo em todas as direções.

Argamassas Antigas

Tentativas de fazer dispositivos explosivos com atraso de tempo apareceram já em 1700, mas foram amplamente limitadas a morteiros (um canhão de cano curto com a intenção de arremessar projéteis sobre as paredes ao invés de atirar através deles). Um explosivo (como pó preto) seria envolto em uma bala de canhão oca de ferro e um fusível sairia pelo lado. O fusível foi aceso, colocado no cano da argamassa e a argamassa foi atirada, lançando o projétil em um arco sobre uma parede ou acima de posições inimigas antes de explodir.

Estilhaço de Henry

Em 1803, o exército britânico adaptou uma bala de canhão explosiva cronometrada mais confiável projetada por Henry Shrapnel. Consistia de um núcleo de explosivos misturados com um tiro menor e equipado com um fusível cronometrado que era ativado quando o canhão era disparado. Estas são as "bombas explodindo no ar" que Francis Scott Key escreveu no Star Spangled Banner. A invenção de estilhaços era mais confiável do que versões mais antigas (principalmente por causa da chance limitada de explosão da bala de canhão antes de ser disparada) e foi fundamental nos esforços de guerra da Grã-Bretanha até o século XX.

Compartilhe Com Seus Amigos